Pablo Vilela

Archive for julho \29\UTC 2007|Monthly archive page

Voce Quer um Cafézinho?

In Cadê o Revisor? on 29 de julho de 2007 at 1:24 am

Estive em São Paulo para o excelente I Encontro Nacional de Revisores.

Parada obrigatória no Museu da Língua, que continua lindo e muito visitado, para um cafezinho literário. A exposição de Lispector não é tão cuidadosa quanto a de Rosa, mas vale conhecer. De todo modo, isso me deu tempo para aproveitar as demais maravilhas da casa. Pela primeira vez assisti com calma aos vídeos da Grande Galeria, que passam pelas paredes da Estação da Luz.

Qual não foi minha surpresa ao ver erros inadmissíveis? Saquei de minha máquina na escuridão e flagrei, sem qualidade, um pedaço do texto que passava.

museu-1.jpgmuseu-2.jpg

Conferi a ficha técnica e encontrei diretor, narrador, produtor, roteirista, mas Cadê o Revisor?

Dedicatória

In Outras Revisões on 27 de julho de 2007 at 3:38 am

Esta dedicatória ela escreveu para José Olympio, seu editor (seu e de enormes nomes de nossa literatura). É uma singela homenagem a quem está por trás das letras.

Dedicatória

Raquel de Queiroz

A gente entrega um monte de papel datilografado, riscado, torturado. Desses cadernos sofridos você faz essa bela e nobre coisa que é um livro, e o reproduz em dezenas de milhares e o espalha por esse mundo. Então nos fica essa dúvida: de quem é mais o livro? Seu ou nosso?

Dia do Escritor

In Outras Revisões on 25 de julho de 2007 at 5:17 am

Saramago diz que Somos todos escritores. Só que uns escrevem, outros não.

Hoje é Dia Nacional do Escritor. O que isso significa? Com a palavra, Gabriel Perissé: No Dia do Escritor comemoramos a solidão diante da palavra, a verdade, o medo, a alegria, o amor indizíveis de só saber escrever.

Neste dia, tivemos a felicidade, a honra de ser homenageados pelo Lendo.org. O mesmo blogue sugere um questionário interessante para o dia de hoje, que vou respondendo aos poucos. Fico, por ora, com a última das questões: Uma frase para o Dia do Escritor: Escrever é uma forma de a voz sobreviver à pessoa. Margaret Atwood.

Mais Desacordo

In Dia a Dia do Revisor on 23 de julho de 2007 at 10:10 pm

Abri meu último exemplar da revista Língua Portuguesa à procura de amenidades e deparei novamente com o maldito acordo (perdão por voltar ao tema: não gosto disso, mas ele me entoja).

O que mais me estranhou foi a opinião do diretor do Instituto Antônio Houaiss, que deveria representar à altura o grande lexicógrafo que lhe dá nome. Diz ele que o acordo é uma necessidade e é uma vergonha que ainda não tenha sido concretizado. Todas as grandes línguas já fizeram isso. O árabe, idioma de mais de 15 países, é falado de forma diferente, mas escrito da mesma maneira.

Ora, comparar português com árabe? A questão do árabe não é ortográfica, é alfabética. Todas as grandes línguas? O inglês, língua mais difundida no mundo, não sofreu reforma e tem diferenças ortográficas (assistindo ao Pan-Americano, tenho notado as rugas de preocupação dos americanos). O chinês, língua com maior número de falantes, também não sofreu reforma.

Parece até que quer ganhar mais dinheiro inutilizando nossos dicionários atuais. Será que não basta ter aumentado mais de três vezes o preço do Dicionário Houaiss desde o lançamento?

Grammatica Portugueza

In Outras Revisões on 20 de julho de 2007 at 12:28 am

Não que eu concorde, mas…

Grammatica Portugueza pelo Methodo Confuso (1928)

Mendes Fradique

Grammatica é a arte de fallar e escrever incorrectamente uma lingua. Segundo affirmam os grammaticos, a grammatica é o conjunto de regras tiradas do modo pelo qual um povo falla usualmente uma lingua. Ora, o povo falla sempre muito mal, e escreve ainda peiormente; logo, não é de estranhar que seja a grammatica a arte de fallar e escrever incorrectamente uma lingua.

Férias

In Dia a Dia do Revisor on 18 de julho de 2007 at 11:13 pm

Sim, pasmem, revisor também tem férias. Há algum tempo defini que tiraria férias ao menos a cada dois anos. É fundamental para recuperar as energias e manter a qualidade do trabalho. Tenho conseguido cumprir a meta.

Claro que revisor de férias aproveita para encontrar amigos revisores, visitar sebos e livrarias, ler muito e ir ao Museu da Língua, parada obrigatória em São Paulo (e aproveitem, pois a exposição da Clarice Lispector está perto do fim). Assim mesmo têm sido férias divertidas e revitalizantes.

Por falar no museu, falta-lhe um revisor, mas essa parte da viagem eu conto a vocês quando voltar para casa.

Inserto

In Preciosidades on 15 de julho de 2007 at 12:51 pm

Falava-se de palavras que causam estranheza quando aparecem no texto.

autografo.jpgEu também não conhecia inserto e, por mais correto que seja, uma palavra dessas, fosse onde fosse, fatalmente chamaria a atenção para si e relegaria o texto a um segundo plano, pelo menos momentaneamente.

Thomé de Oliveira

História do Cerco de Lisboa

In Outras Revisões on 13 de julho de 2007 at 2:43 am

 

Bom lembrar que Saramago não é muito adepto da pontuação normal da língua portuguesa.

História do Cerco de Lisboa

José Saramago

deleatur.jpg

Disse o revisor, Sim, o nome deste sinal é deleatur, usamo-lo quando precisamos suprimir e apagar, a própria palavra o está a dizer, e tanto vale para letras soltas como para palavras completas, Lembra-me uma cobra que se tivesse arrependido no momento de morder a cauda, (…) Faça-me aí o desenho, mas devagar, É facílimo, basta apanhar-lhe o jeito, quem olhar distraidamente cuidará que a mão irá traçar o terrível círculo, mas não, repare que não rematei o movimento aqui onde o tinha começado, passei-lhe ao lado, por dentro, e agora vou continuar para baixo até cortar a parte inferior da curva, (…) em verdade lhe digo, senhor doutor, se me posso exprimir em estilo profético, que o interesse da vida onde sempre esteve foi nas diferenças.

Révolution des Correcteurs en Chapeau

In Dia a Dia do Revisor on 11 de julho de 2007 at 3:18 am

Pablo by KimNo próximo sábado, dia 14 de julho (dia em que se comemora a queda da Bastilha), acontece o primeiro Encontro Nacional de Revisores, em São Paulo.

O descontraído evento, batizado de Révolution des Correcteurs en Chapeau, em que os participantes irão devidamente trajados com seus melhores chapéus, ocorre em um bar da Zona Sul e promete muitas risadas e bate-papo noite adentro.

Na ocasião, Thomé de Oliveira (vulgo Àlles Mataol) e Cleiton Pereira (vulgo Cleiton mesmo) aproveitarão para lançar e autografar suas mais novas publicações.

Noventa Anos de Amor

In Dia a Dia do Revisor on 9 de julho de 2007 at 7:17 pm

almirdeoliveira.jpgNaquele tempo em que dava meus primeiros passos de revisor, a maior diversão de férias era, na biblioteca de meu avô, folhear suas dezenas de dicionários, que eu sonhava um dia possuir. Foi com ele que aprendi a idolatrar os livros.

No último fim de semana, meu querido avô completou 90 anos. São 90 anos de devoção aos livros. Emociona vê-lo chegar a essa idade ainda publicando e lendo como um jovem enamorado.

O Segredo do Revisor

In Outras Revisões on 6 de julho de 2007 at 11:42 pm

O segredo do revisor

Vicente Cachelero

Para Aurélio Buarque de Holanda,
que foi também revisor (em memória)

Os homens erram muito.
E ele corrige, meio louco, feito Aguirre,
tirando chapéu de cabeça
ou pondo-o, conforme o caso.

Viu que Camões é quase nórdico de frio
em sua epopéia e que a saudade é doença latina
a latejar no canto escuro cordial.
Pensa em Pierre Larousse que amava os revisores,
em Erasmo de Rotterdam, Servet, Machado de Assis.

(…)

O revisor revisou o mundo e viu: Deus
no malogro, em lodo, num lago de logos,
escondido e disfarçado nas mil faces da matéria
e do informe, do indizível. Face invisa.

E reconheceu, conforme, que só assim
Deus lograria a Si salvar
escapando ao pente fino das razões,
à cética revisão dos homens.
E o revisor guardou, pra si, esse segredo.
Baixou então o dê de Deus, conivente:
a protegê-Lo, para proteger a si.

Por fim, pensou: “Os homens erram muito mesmo:
são pedantes, distraídos e vulgares”.

O Sono

In Dia a Dia do Revisor on 4 de julho de 2007 at 1:34 pm

Saiu recentemente uma reportagem, na revista +Atitude, sobre o sono.

Ninguém melhor que o revisor para falar de sono, já que somos verdadeiros inimigos dele. Nós, que tantas noites viramos em trabalhos urgentes, depois que todos terminam sua tarefa na confecção do texto.

Pois qual não foi minha admiração ao ver que o principal entrevistado da matéria era justamente um revisor. Página inteira dedicada a ele. A ele não, a nós.

Quando o Celso disse que dominaríamos o mundo, ele não estava brincando.

Vale a observação: eu (e a reportagem) não estou aqui fazendo apologia da insônia. Guardem um tempinho para ter um bom sono e recarregar as energias. Só bem descansado se pode trabalhar com mais qualidade.

Códigos de Revisão

In Dica do Mês on 1 de julho de 2007 at 1:17 am

Códigos de Revisão

Os temidos códigos de revisão não têm motivo algum para ser temidos. Existem para simplificar a vida tanto do revisor quanto do diagramador, arte-finalista ou quem quer que seja responsável pelas emendas.

São símbolos usados há décadas para resumir o que precisaríamos de uma ou mais palavras para dizer. Então, nada de puxar foguetes (setas) do meio do texto. Para facilitar a vida de todo mundo, usemos os códigos criados para isso.

Esta tabela, que traz alguns dos símbolos mais usados, tem por base várias fontes, além da experiência do dia-a-dia de revisor, e foi construída com a preciosa colaboração do arte-finalista Zé Alves.