Pablo Vilela

Archive for setembro \30\UTC 2007|Monthly archive page

Axé

In Cadê o Revisor? on 30 de setembro de 2007 at 2:16 am

Um passarinho me contou que não é só na Capital que o pessoal anda vacilando. Na terra do aché, opa, do axé, a coisa está feia também.

Veja o que nosso tão atento Rouxinol encontrou por lá.

rouxinol.jpg

E ao longe, em cima do trio elétrico, a voz de Netinho entoa: Cadê, Cadê, Cadê, Cadê o Re, Re, Re, Reviso, o, o, o, o, o, or?

Arte-Final

In Outras Revisões on 28 de setembro de 2007 at 10:18 pm

A sugestão é da Cássia, que leu no blogue da Juliana.

Arte-final

Affonso Romano de Sant’Anna

Não basta um grande amor
            para fazer poemas.
E o amor dos artistas, não se enganem,
não é mais belo
            que o amor da gente.

O grande amante é aquele que silente
se aplica a escrever com o corpo
o que seu corpo deseja e sente.

Uma coisa é a letra,
e outra o ato,

            — quem toma uma por outra
            confunde e mente.

Se Beber, não Dirija

In Dia a Dia do Revisor on 26 de setembro de 2007 at 1:46 am

Quem diria? Não que seja absolutamente incomum o grande Jack Bauer – para quem não conhece, é o MacGyver do 3º milênio (qualquer semelhança física é mera coincidência) – quebrar protocolos e ser preso por isso. Até drogas pesadas o herói andou usando para desmascarar terroristas. Mas ser detido por dirigir bêbado é muita decadência, não? Pois foi o que aconteceu ontem em Hollywood.

A esta altura, você se pergunta: por que eu quereria saber dos maus hábitos do Jack?

É que, ao noticiar o caso, o Estadao.com.br, por um imperdoável deslize, pôs lado a lado o Jack Beer (Rodrigues, 2007) e o Jack garoto-propaganda do Citroën C4 Pallas. Claro que o jornal já consertou o erro (que deverá dar prejuízo), mas alguém foi mais esperto e flagrou o momento.

estadao-kiefer-sutherland.jpg

Curioso que, ainda esta semana, discuti a necessidade de o revisor, na era das imagens, ficar especialmente atento a elas.

Campeão de Vendas

In Dia a Dia do Revisor on 24 de setembro de 2007 at 10:17 pm

Você tem 17 chances para adivinhar qual o produto mais vendido da internet brasileira. CD? DVD? Videogame? Equipamento de informática? Eletroeletrônico? Nada disso. O campeão de vendas, com folga, é o livro.

Quem divulga os dados é a Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico e o e-bit (notícia completa em O Globo), que constataram que não menos que 17% das compras online feitas hoje aqui no Brasil são de livros.

Os pessimistas e alarmistas, coitados, estão mesmo em baixa, tanto os que pensavam que o livro iria acabar quanto aqueles que diziam que brasileiro não gosta de ler.

Obras Perdidas

In Outras Revisões on 21 de setembro de 2007 at 11:21 pm

Obras perdidas

Julio Ramón Ribeyro

Lendo Cervantes há pouco tempo, passou por mim um sopro que infelizmente não tive tempo de captar (por quê? Alguém me interrompeu, o telefone tocou, sei lá), pois lembro que me senti impulsionado a começar algo. Depois tudo se dissolveu. Todos nós conservamos um livro, talvez um grande livro, mas que no tumulto da nossa vida interna rara vez emerge, ou o faz tão rapidamente que não temos tempo de arpoá-lo.

Super-Heróis

In Dia a Dia do Revisor on 18 de setembro de 2007 at 7:51 pm

livro_aranha.jpgNem os super-heróis resistem a uma boa leitura. Recentemente o Homem-Aranha foi flagrado pelo jornal Clarim Diário no momento em que renunciava a seus corriqueiros compromissos na defesa da humanidade. Para seu azar, Peter Parker estava atento e conseguiu mais esse furo.

livro_mulhergato.jpgEnquanto isso, do outro lado de Forest Hills, quem aproveitava a luz da lua para pôr a leitura em dia era a Mulher-Gato.

As fotos passaram a fazer parte de uma campanha na República Tcheca em prol da leitura. Se todos cultivassem esse hábito, talvez não precisássemos de super-heróis.

Família Bacana

In Preciosidades on 15 de setembro de 2007 at 7:23 pm

biene.jpgO alemão é minha língua materna. Minha mãe, por assim dizer.

O inglês foi minha primeira língua estrangeira. A irmã da minha mãe… minha tia, se você quiser.

O francês foi minha segunda língua estrangeira. Outra irmã da minha mãe… outra tia, então.

O português chegou muito mais tarde na minha vida… o benjamim, a querida caçula da família.

E, com os vários “pais” nas minhas boas estantes, em cima das minhas mesas, sobre o banquinho do banheiro e espalhados no chão do meu quarto, fazemos uma família bacana!

Ulrike Mopedbiene

Súplica do Livro

In Outras Revisões on 14 de setembro de 2007 at 6:31 pm

É bom ser bem-tratado. Dia desses comprei dois ótimos livros pela internet em um sebo. Junto com o livro, um simpático folheto em papel reciclado com textos sobre livros. Foi aí que li o seguinte, cujo autor não consegui encontrar.

Súplica do livro

Desconheço a autoria

golden-pages-by-dannis-hez.jpg

Não me manuseie com mãos sujas;
Não escreva em minhas páginas;
Não rasgue nem arranque minhas folhas;
Não apóie o cotovelo sobre minhas páginas durante a leitura;
Não me deixe sobre cadeiras ou lugares que não sejam meus;
Não me deixe com a lombada para cima;
Não coloque entre minhas folhas objeto algum mais espesso que uma folha de papel;
Não dobre os cantos de minhas folhas para marcar o ponto em que parou a leitura;
Use para isso uma tira de papel ou marcador apropriado;
Terminada a leitura, devolva-me ao lugar certo ou a quem deva guardar-me;
E ajude-me a conservar-me limpo e perfeito e eu o ajudarei a ser feliz.

Dislexia

In Cadê o Revisor? on 12 de setembro de 2007 at 3:23 am

Perdão a quem aqui chegou pensando que encontraria um tratado sobre algum distúrbio psicofonoaudiolingüístico. Não. O disléxico da vez é ninguém mais que o reloginho do tempo no caminho entre a casa e o trabalho do Revisor.

sedembro.jpg

Foi ontem que ocorreu o fenômeno. Quiçá o prenúncio (que depois se confirmaria) de um longo dia. Cadê o Revisor?

Viver entre Livros

In Dia a Dia do Revisor on 10 de setembro de 2007 at 11:13 pm

room-by-quatrina.jpgO filósofo alemão Arthur Schopenhauer afirmava, há duzentos anos, que comprar livros seria uma coisa boa se o indivíduo pudesse comprar também tempo para lê-los. Com toda a evolução tecnológica que presenciamos desde então, não descobriram ainda uma forma de comprar tempo. Mesmo assim, de minha parte, tenho cultivado o hábito de comprar muitos livros, com a esperança de absorver, de alguma maneira, seus conhecimentos.

Como estou hoje para citações, Pedro Doria falou certa feita que o prazer de comprar livros tem pequena relação com o prazer de lê-los. Completo que é difícil definir qual dos prazeres é maior. Tenho cultivado aquele com ardor, este com certa moderação.

Há, no entanto, um terceiro prazer, tão forte quanto os demais: contemplar uma estante (a minha estante!) repleta de livros ainda não lidos. Dizia o escritor francês Jules Renard: quando penso em todos os livros que ainda posso ler, tenho a certeza de ainda ser feliz.

Arte de Ler

In Outras Revisões on 7 de setembro de 2007 at 4:51 am

A Arte de Ler

Mario Quintana

O leitor que mais admiro é aquele que não chegou até a presente linha. Neste momento já interrompeu a leitura e está continuando a viagem por conta própria.

Segunda Opinião

In Dia a Dia do Revisor on 5 de setembro de 2007 at 1:45 am

Sejamos justos. A Feira do Livro está boa.

Voltei lá ontem e anteontem no horário de almoço. Recomendo esse horário. Não tem nem a multidão do fim de semana, nem a criançada do horário escolar.

Até que há bastantes sebos. É que o contraste com as dezenas de livrarias religiosas, esotéricas e infantis (claro, temos de investir no futuro da nação – com o perdão do cacófato) fez parecer que eram menos.

Mas a grande atração da feira, sem a menor dúvida, é o primeiro estande à esquerda de quem entra pela porta dianteira do shopping. Contar qual é? De jeito nenhum! Vá lá e confira, depois conversamos.

Feira do Livro

In Dica do Mês on 2 de setembro de 2007 at 8:16 pm

O local é péssimo? Sim, na calçada em volta de um dos shoppings mais movimentados de Brasília (a iniciativa de manter a feira durante a reforma do Centro de Convenções foi linda, mas já passou da hora de voltar para lá).

A acústica e as acomodações para as palestras e demais eventos são horríveis? Sim.

Sente-se falta de algumas das principais livrarias e de mais sebos? Sim.

Faltam boas ofertas, pacotes, promoções, descontos? Certamente.

Apesar de estar na 26ª edição, a feira ainda tem uma aparência mambembe? Sim.

Por que, então, eu deveria ir à 26ª Feira do Livro de Brasília? você deve estar se perguntando. Fácil responder:

Porque, mesmo poucas, há boas oportunidades de compras. Porque não é sempre que podemos participar de um grande evento cultural. Porque há várias livrarias no mesmo local. Porque há eventos interessantes para crianças e adultos. Porque cultura, conhecimento, livro são sempre um bom programa.

Junte filhos, sobrinhos, namorada, avós, marido, netos, amigos e aproveite a oportunidade para, além de curtir um momento agradável, adquirir um pouco de cultura. A feira funciona todos os dias até o próximo domingo, dia 9 de setembro.