Pablo Vilela

Perda de Tempo

In Outras Revisões on 30 de novembro de 2007 at 12:37 am

Não que eu concorde inteiramente, mas não deixa de ser uma visão interessante.

Perda de Tempo

George Bernard Shaw

Eis o que eu chamo perder tempo… Nada há sobre a Terra tão precioso como um bonito livro, com as colunas bem feitas, duma escritura em rica tinta negra, com belas cercaduras e lindas imagens iluminadas, sabiamente intercaladas na página. Mas em nossos dias, ao invés de olhar os livros, as pessoas os lêem.

livro-dos-dias.jpg

Anúncios
  1. Eu acho que as pessoas mais olham do que lêem os livros.

    Lembrei o episódio do Seinfeld em que o Kramer lança o “The Coffee Table Book”.

  2. Quem é esse “Honigdieb” aí que roubou o mel???
    Protesto da Abelha…!!!
    Mas – a foto é legal!!!
    🙂
    Bzzzzzzzzmmmmmm

  3. Bem, existem livros que só valem mesmo pela capa, edição, projeto gráfico… O conteúdo, neres de pitibiriba.

    Eu, como fanático por livros, tenho alguns que nunca li – nem lerei – mas que eram de uma determinada editora, ou tinha projeto gráfico especial. Por esse aspecto – e só por esse – concordo com o Shaw.

  4. Assim como as embalagens, num primeiro momento, tornam mais encantadores os presentes, também os detalhes exteriores o fazem com os livros. Apesar de não ler na forma original, adoro livros feitos com papel especial, capas decoradas em alto relevo, etc.

    Legal notar que este espaço, mais que um blog sobre revisão, é cada vez mais uma declaração de amor aos livros.

  5. Não conheço esse episódio, Fabinca. Do que trata o livro?
    Também gosto de livros que agradam os olhos, mas melhores são os que harmonizam forma e conteúdo. Gosto daqueles antigos, de capa dura, em edições de luxo. Dentre os moderninhos, gosto especialmente dos que esta moça faz.
    Pois é, Laís, estou cada dia mais apaixonado pelos livros. Eles são sempre uma ótima companhia.

  6. O livro é sobre “coffee tables”. Curioso isso das línguas… Eu não lembro de ter pensado anteriormente que uma mesa de centro é uma mesa de café.

  7. “Na política, tudo vira pizza.
    Na comunicação, tudo vira livro.

    Isso acontece porque o conceito de ‘livro’ tem prestígio, independente do que contém. Se uma pessoa diz ‘eu tenho 6 livros publicados’, mesmo que sejam todos ruins, alguém sempre fica impressionado com isso. Muita gente escreve e publica livros apenas por vaidade. Não é por vocação é só pra servir de cartão de visita. Como se publicar um livro fosse uma espécie de troféu de qualidade intelectual.”

    Rosana Hermann em “Querido Leitor”

    http://queridoleitor.zip.net/#2007_11-26_18_07_11-2561397-0

  8. É bem verdade. A publicação de um livro é talvez o maior símbolo de status intelectual que alguém pode ter. Lembro-me até de ter lido algo sobre isso recentemente, provavelmente na Louca da Casa, de Rosa Montero.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: