Pablo Vilela

Archive for janeiro \30\UTC 2008|Monthly archive page

Revisão de Férias

In Cadê o Revisor? on 30 de janeiro de 2008 at 10:48 pm

O revisor precisa estar atento a tudo. Tem de prestar atenção não só ao texto, mas ao leiaute, à diagramação, às imagens, às logomarcas. Não importa o que esteja errado, nada pode escapar à sua vista.

bmw-mercedes.jpgEssa imagem é mais uma contribuição do Sílvio. Ouvi dizer que ele quer deixar a direção de arte e dedicar-se à revisão. Talento, como vemos, não lhe falta.

A matéria, de uma conhecida página de notícias, fala do novo modelo da BMW. Na foto que ilustra a notícia, o belo símbolo da Mercedes.

Com essa falta gravíssima, o revisor (que deve estar de férias) perdeu sua habilitação. Na escolinha do Detran, o instrutor faz ele escrever mil vezes: Cadê o Revisor?

A Uva e o Vinho

In Outras Revisões on 28 de janeiro de 2008 at 11:25 am

lilac-wine.jpg

A uva e o vinho

Eduardo Galeano

Um homem dos vinhedos falou, em agonia, ao ouvido de Marcela. Antes de morrer, revelou-lhe seu segredo:
— A uva — sussurrou — é feita de vinho.
Marcela Pérez-Silva me contou isso, e eu pensei: se a uva é feita de vinho, talvez nós sejamos as palavras que contam o que somos.

Um Ano de Vida

In Dia a Dia do Revisor on 26 de janeiro de 2008 at 9:18 pm

bolo.jpg

Há exatamente um ano, este blogue era inaugurado para contar a você um pouco do que vi, vivi e aprendi desde que me tornei revisor de textos, nos idos do milênio passado.

Iniciamos com uma linda prece, escrita e presenteada pela Cássia. A Oração do Revisor trouxe-nos ótimos auspícios e, de lá para cá, foram mais de 150 tópicos, que você ajudou a construir com sua visita, seu comentário, sua sugestão, sua crítica.

Que honra receber, bem na véspera de nosso aniversário, mais de 200 visitas. Sinal, creio, de que você gosta do que encontra aqui. Motivo ainda maior para que o blogue continue crescendo e melhorando.

Que nosso segundo ano de vida seja ainda mais proveitoso que o primeiro. Que você continue tendo motivos para voltar aqui.

Decorando o Alfabeto

In Dia a Dia do Revisor on 24 de janeiro de 2008 at 11:13 am

alfabeto-decorado.jpg

Uma idéia interessante decorará a Avenida Paulista nos próximos dias. No mês que sucede ao aniversário de São Paulo, as letras do alfabeto, em tamanho gigante, pintadas e decoradas por diversos artistas, estarão dispostas pela avenida.

Um dos motes da criativa campanha publicitária que promoverá o evento é Deu trabalho, mas conseguimos decorar o alfabeto.

Passado o mês, a exposição será leiloada a fim de arrecadar fundos para as sempre tão necessitadas bibliotecas estatais. A cultura agradece mais uma vez.

Livreiro Catalão

In Hora da Leitura on 21 de janeiro de 2008 at 10:05 pm

Inauguramos esta categoria do blogue na França e por lá continuaremos. Agora, talvez a mais célebre notícia de jornal que os franceses já leram. Tornou-se conto nas mãos de uma dezena de escritores, entre eles Gustave Flaubert, aos 15 anos de idade.

O crime do livreiro catalão (matéria cuja autoria é atribuída ora a Charles Nodier, ora a Prosper Merimée) é protagonizado por um monge que se fez livreiro após a pilhagem de seu convento. Com a situação, tornou-se um bibliômano tão apaixonado que não conseguia se desfazer dos livros de sua loja. Fazia o possível para seus clientes não os comprarem e, quando não conseguia dissuadi-los, usava o que estivesse a seu alcance para reaver seus livros. Claro que isso não poderia acabar bem. E claro que não vou contar o que acontece. Um trechinho da versão de Flaubert (intitulada Bibliomania), só para deixá-lo com vontade de saber o final da história:

Amava um livro porque era um livro; amava seu cheiro, sua forma, seu título. O que ele amava em um manuscrito era sua data antiga e ilegível, os caracteres góticos bizarros e estranhos, as pesadas douraduras que carregavam seus desenhos; suas páginas cobertas pelo pó, pó cujo perfume, suave e delicado, aspirava com delícia.

Gustave Flaubert

A Biblioteca

In Outras Revisões on 18 de janeiro de 2008 at 2:24 pm

Quando criança, uma diversão nas férias em família era vivenciar momentos maravilhosos, antes de dormir na cama improvisada da biblioteca de meu avô, passando a mão pelos livros e admirando as lombadas. A sensação era a mesma vivida pela Menina que roubava livros.

maos-e-livros.jpg

A Biblioteca

Marcus Zusak

Correu o dorso da mão pela primeira prateleira, ouvindo o arrastar de suas unhas deslizar pela espinha dorsal de cada livro. Soava como um instrumento, ou como as notas de pés em correria. Ela usou as duas mãos. Passou-as correndo. Uma estante encostada em outra. E riu. (…) Em quantos livros havia tocado? Quantos havia sentido?

Cidade Maravilhosa

In Dia a Dia do Revisor on 17 de janeiro de 2008 at 12:28 am

Uma das perguntas que recebo com maior freqüência é sobre a existência de cursos de revisão no Rio de Janeiro. Pela recorrência da pergunta, deduzo que há pouquíssimos, ou muito menos que a demanda.

A dica, no entanto, vem lá mesmo do Rio. Foi a Magda (que já está matriculada) quem me contou.

A Estação das Letras oferecerá, nos próximos meses, além de diversos outros cursos indiretamente relacionados à revisão (como finalização, preparação, gramática, redação), uma Oficina de Revisão e Copidesque.

Você me pergunta: O curso é bom? Vale a pena (isso me lembra Fernando Pessoa)? Bem, eu o faria, se pudesse passar dois meses no Rio de Janeiro.

País da Gramática

In Dia a Dia do Revisor on 14 de janeiro de 2008 at 11:34 pm

Ano passado, li Emília no País da Gramática, de Monteiro Lobato. Eu lia aquele belíssimo compêndio gramatical disfarçado de estória (como preferia ele) infantil e pensava: pena que meus futuros filhos não o poderão ler, pois muita coisa mudou. O livro, ainda que maravilhoso, ficou muito desatualizado após o advento da NGB. Poderia deixar a criança confusa com relação ao que aprende na escola.

Acordei hoje com a capa da Revista Língua: A Editora Globo prepara a versão turbinada do mais contundente manifesto sobre o ensino do idioma (…) A obra ganha cores, desenhos e uma atualização da nomenclatura. Mais perfeito impossível.

Conselho: compre a edição antiga, leia-a antes de abril (data provável da publicação) e faça, com seu filho, uma leitura comparada.

E sabe aquilo que acontece no lançamento de best-sellers como Harry Potter: leitores dormindo na porta da livraria para comprar o primeiro exemplar? Eu estarei lá.

Sorte dos Livros

In Outras Revisões on 11 de janeiro de 2008 at 3:24 pm

Infelizmente, em português não é possível (ao menos não com minha parca capacidade poética) manter todas as rimas e trocadilhos. Por isso transcrevo o original francês (não deixe de notar a semelhança entre o segundo e o quarto verso) do epigrama anônimo do século XIX. 

Sorte dos livros

Autor Desconhecido

A sorte dos homens é esta:
Muitos chamados, poucos elegidos;
A sorte dos livros, ei-la aqui:
Muitos deletreados, poucos lidos.

Le sort des hommes est ceci:
Beaucoup d’appelés, peu d’élus;
Le sort des livres, le voici:
Beaucoup d’épelés, peu de lus.

Revisão de Vida

In Preciosidades on 10 de janeiro de 2008 at 11:45 pm

Na vida, não se revisam apenas textos, mas também atos.

Matrix Linux

Direitos Iguais

In Dia a Dia do Revisor on 8 de janeiro de 2008 at 4:12 pm

braille.jpgConversava com a Laís sobre como fazem os deficientes visuais para ler as novidades literárias, já que a demanda para publicação em braille é enorme e a produção é mínima.

Ela disse que o processo é simples: compra-se o livro, escaneia-se página por página, uma a uma, e usa-se um OCR (programa que transforma imagem em texto).

Acabou? Não. Feito isso, revisa-se todo o livro, já que a leitura da máquina é imperfeita, sobretudo se a impressão não é boa. Gera-se um PDF e, aí sim, pode-se ler tranqüilamente o livro.

Agora a pergunta: por que as editoras não disponibilizam seus livros para download ou leitura online (protegidos contra cópia, que seja) para quem gosta e precisa de ler no computador? Além de tudo, seria mais barato para elas.

Uso do Hífen

In Dica do Mês on 6 de janeiro de 2008 at 9:37 pm

O uso do hífen é uma das maiores complicações da língua portuguesa, já que apresenta vários pormenores. Nem o maior dos especialistas em gramática há de escapar de uma dúvida de vez em quando.

Há alguns anos, formulei uma tabela (com base em outra que recebi do Professor Filemon) que descreve o uso do hífen com os principais prefixos do português. Imprimi-a e ela me acompanha aonde quer que eu vá.

A tabela mostra a relação entre o prefixo e a primeira letra da palavra que ele acompanha.

hifen.jpg

Convém destacar que os prefixos de formação erudita, aqueles usados sobretudo na linguagem científica (bio, endo, macro, mini, tetra, etc.), devem ser usados sempre sem hífen.

Já os prefixos tônicos (pré, pró, pára, recém, pós, etc.) são sempre com hífen. Só tome cuidado para não os confundir com pre (preexistente), pro (proativo), para (parassimpático), pos (pospor).

A exceção da tabela fica por conta de extraordinário, que a rigor deveria ter hífen, mas sabemos que não o tem.

Na dúvida, o dicionário é seu melhor amigo.

Em 2009 os hifens mudaram. Agora a regra é assim.

Bichos Leitores

In Outras Revisões on 4 de janeiro de 2008 at 9:17 pm

Da excelente autobiografia (que, por injustiça e falta de espaço, ficou fora de minha lista) A louca da casa (obrigado, Cássia).

Bichos leitores

Rosa Montero

joaninha.jpgSomos, por definição, bichos leitores. Roemos as palavras dos livros incessantemente, como a carcoma emprega todo o seu ser ao devorar madeira. (…) Como se pode viver sem a leitura? Deixar de escrever pode ser a loucura, o caos, o sofrimento; mas deixar de ler é a morte instantânea. Um mundo sem livros é um mundo sem atmosfera, como Marte. Um lugar impossível, inabitável.

Ano que Promete

In Dia a Dia do Revisor on 2 de janeiro de 2008 at 10:55 pm

2007 foi muito produtivo para os revisores. Veteranos trabalharam muito revisando, aperfeiçoando-se, ensinando e difundindo a revisão de textos. Iniciantes conseguiram seus primeiros trabalhos. Aprendizes tiveram a oportunidade de fazer diversos cursos em vários estados do Brasil.

Em 2008 não há de ser diferente. O ano começa prometendo muito para os revisores. Já na próxima semana, será realizado o primeiro curso de revisão do ano, promovido pela Revista Língua Portuguesa.

Se começa assim (para provar que nem tudo no Brasil acontece só depois do carnaval), já dá para supor que teremos um ano agitado pela frente.