Pablo Vilela

Archive for abril \30\UTC 2008|Monthly archive page

Além da Revisão

In Hora da Leitura on 30 de abril de 2008 at 11:13 pm

Quebrarei o protocolo. Em vez de livro lido, falarei de um que acabo de comprar. Minto: acabo de encadernar. Comprei-o há dias, mas a encadernação era em espiral. Conservadorismo, quiçá, mas não admito livro em espiral. Livro é brochura, capa dura ou, na pior das hipóteses, canoa. Espiral é para caderno.

Passado o susto e a má impressão, a obra promete. A diagramação é bela. O sumário é convidativo. Os temas são pertinentes. O autor, coincidência ou não, tem o sobrenome de um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. A crítica (da própria editora) empolga.

Quanto mais preparado estiver o revisor, mais catástrofes poderão ser evitadas, sem mencionar o aprimoramento que se obtém na apresentação gráfica. Em resumo, a vivência profissional do revisor poderá influir tanto na forma quanto no conteúdo da publicação.

Aristides Coelho Neto

Cadê Vasco?

In Cadê o Revisor? on 27 de abril de 2008 at 11:29 pm

Meu time foi desclassificado com um pênalti perdido pelo estreante (veja só) Pablo.

Para piorar, um flamenguista me lembra que, há algumas semanas, o presidente do clube, Eurico Miranda, disse à imprensa que está escrito há dois mil anos que o Vasco vai ser campeão (se você tem estômago de aço, assista ao vídeo; e, se resistir, assista ao outro). Perdeu. Não foi. Não será campeão.

Pelas minhas contas, não havia revisores há dois mil anos. Estava escrito errado e não havia quem revisasse. Durante dois mil anos, continuou escrito errado. Não emendaram. Deu no que deu: Flamengo e Botafogo na final e o Flamengo um passo à frente para ser campeão novamente. As torcidas cariocas gritam: Cadê o Revisor?

Acordista

In Outras Revisões on 25 de abril de 2008 at 1:12 am

Na página em que mostra toda a sua justificadíssima revolta, o tradutor João Roque Dias, que faz a gentileza de divulgar nosso link ao outro lado do oceano, explica uma das mais novas palavras de nosso léxico.

Acordista

João Roque Dias

acordista. s. m. e f. Pessoa particularmente iluminada dos países lusófonos que pretende pôr toda a gente a escrever a Língua Portuguesa da mesma maneira por meio de acordos ortográficos, independentemente das muitas diferenças existentes, há muito tempo, nas versões faladas e escritas da língua em diversos locais do mundo. = SONHADOR.

Hackers Leitores

In Dia a Dia do Revisor on 23 de abril de 2008 at 11:03 pm

Justiça seja feita. O Judiciário potiguar libertou três criminosos virtuais para voltar ao aconchego do lar.

Simples assim? Claro que não. Em troca da liberdade (e para mostrar que estão dispostos a se reabilitar), terão de ler e resenhar, quinzenalmente, clássicos da literatura. Além disso, deverão comprovar bom rendimento escolar, mantendo sempre uma distância segura do computador.

Longe de ser uma punição, como poderiam pensar alguns, essa oportunidade oferecida aos criminosos pretende (e vai) provar que a boa educação é mais eficiente que a mais severa punição.

Escândalo

In Dia a Dia do Revisor on 22 de abril de 2008 at 7:30 pm

Um escândalo (que, por incrível que possa parecer, nada tem a ver com crianças defenestradas) visita o mundo livresco.

Se você tem um livro da coleção Obras-Primas, aquela vendida em bancas de jornal, acredite: alguém mentiu para você. A editora Nova Cultural é suspeita de plagiar boa parte das traduções de sua própria coleção, substituindo apenas o nome dos tradutores originais, para não pagar seus direitos.

O papelão suscitou um abaixo-assinado contra o plágio, que, espera-se, renderá maus bocados aos burlões, se comprovada a fraude.

O Verbo Errar

In Outras Revisões on 18 de abril de 2008 at 1:34 am

O texto completo, que nos foi presenteado pela Leticia no Dia do Revisor, está nos comentários do nosso dia.

O Verbo Errar

A.M., revisora

Acredito francamente que todo aquele que trabalha com a opinião pública deveria, um dia na vida, revisar. Mais que um saudável treino do nosso vernáculo, é uma lição de modéstia e humildade que não vai mal a ninguém. Porque errar – e o revisor sabe disso – é o mais humano dos verbos.

Vírgula

In Outras Revisões on 16 de abril de 2008 at 5:40 pm

Você pediu e o Revisor postou. Um agradecimento especial à Cássia, que me mandou o vídeo há dias; e à Joíra, que foi a 15ª pessoa a me falar sobre ele e me fez ter a certeza de que eu não poderia mais evitar postá-lo.

A campanha é da Africa para a ABI, que completa 100 anos. A voz (que você conhece bem do Museu da Língua) é do ator Matheus Nachtergaele.

Vírgula
Associação Brasileira de Imprensa

Estante Invisível

In Dia a Dia do Revisor on 14 de abril de 2008 at 2:22 am

Não é ilusão de ótica. Meus livros estão mesmo empilhados na parede, ao lado de minha cama. Se gostou da idéia, faça uma para você e mostre-nos o resultado.

Na pilha, meus atuais livros de cabeceira. De cima para baixo, o livro de francês em que me inicio na língua; uma pequena raridade da primeira metade do século passado que trata… bem, trata da arte de ler; o terceiro tomo da saga dos Malaussène; o livro emprestado pelo Edu, que segue refém até ele me devolver o que me deve; a obra que me emprestou o flanelinha; e, enfim, a vítima, grande clássico de nossas Letras, que sustentará todo esse conhecimento.

Minha inseparável caneta vermelha, essa não revelo como foi parar ali.

Vovó Poetisa

In Outras Revisões on 11 de abril de 2008 at 12:02 pm

Esta delicada poesia vem do Coisas sobre nada, que, por sua vez, encontrei no Diários de bicicleta. São duas de minhas mais recentes grandes descobertas neste tão rico mundo virtual. Curiosamente a imagem do blogue é uma joaninha, alcunha por que atendia minha querida e saudosa avó.

Vovó poetisa

Caio Barretto

Minha avó costura como quem faz poesia

cada linha é um verso

cada ponto, uma palavra.

Os versos da vovó me protegem

do frio.

Nove Meses

In Preciosidades on 10 de abril de 2008 at 4:15 pm

Em um rompante de estresse, no fim de uma atribulada semana na editora em que trabalha, veio-lhe esta frase.

Livro é igual filho, demora 9 meses, enche a paciência; mas, quando nasce, você o acha a coisa mais fofa do mundo.

Charleston Fernandes

Cegueira

In Dia a Dia do Revisor on 9 de abril de 2008 at 12:43 pm

Já lhe prometi que não mais falaria do acordo ortográfico? A mim mesmo prometi várias vezes, mas não consigo resistir.

Você há de conhecer Saramago: o futuro hollywoodiano, o de cuja História do Cerco de Lisboa sou grande admirador. Pois, se até Pelé, que é rei, diz cá suas toleimas, quando travestido de Edson Arantes, por que um Nobel não poderia fazer o mesmo? E faz: Se escrevo a palavra objecto, gostava de a escrever com o c entalado lá no meio, mas um brasileiro escreverá sem c. Mas isso é grave? A pronúncia é igual.

Ora, pois, senhor Saramago, não se pode falar em pronúncia igual entre brasileiros e portugueses. Além do mais, brasileiro não usa o imperfeito (gostava) pelo futuro do pretérito (gostaria), nem usa essa próclise tipicamente portuguesa (gostava de a escrever). Nada disso mudará. Que unificação é essa de que andam falando? E, se não é grave, que fique como está! O leitor do brasileiro Machado de Assis lê facilmente o português Saramago, o moçambicano Mia Couto ou o angolano Pepetela. As diferenças são irrelevantes.

Quando lhe disserem que a língua portuguesa será unificada, ria.

Esmola Literária

In Dica do Mês on 7 de abril de 2008 at 3:18 am

Não sinta seus princípios agredidos. O fato é que sempre cri haver melhor forma de ajudar os necessitados que a esmola. Não pelo ato em si, mas porque não há como saber se o dinheiro será bem-empregado (em geral não o é).

A idéia de Nelson Cruz e de sua esposa Marilda Castanha, ambos escritores e ilustradores, parece-me a solução ideal. Eles respondiam a uma enquete da Folha de S.Paulo (com ponto e sem espaço), que encontrei nos Diários da Bicicleta e que você só lerá se for assinante.

Nós sempre andamos com livros no carro. Quando somos abordados por crianças nos semáforos, doamos livros em vez de dinheiro. Elas voltam para a calçada e começam a folhear.

Providenciei alguns para meu porta-luvas. Já separou os seus?

Revisão e Reclamação

In Outras Revisões on 5 de abril de 2008 at 4:05 am

Famosa por suas choradeiras, nossa amiga Fabiana, coordenadora de uma pós-graduação em revisão de textos no Sul do país, escreveu sobre as reclamações (ou choradeiras) do cliente.

Revisão e reclamação

Fabiana Fidelis

Os melhores autores são os que menos reclamam quanto ao processo de revisão e produção do livro para ser publicado. Auxiliam e ficam atentos a todas as possibilidades de ajudar a tornar o livro melhor. Reconhecem, sobretudo, que um livro é feito a muitas mãos (…)

Não sou chefe de nada e não tenho poder algum, exceto o de fazer marcas com caneta azul.

ABC3D

In Dia a Dia do Revisor on 2 de abril de 2008 at 4:39 pm

O livro nem foi oficialmente publicado, ainda está no período de pré-venda (com desconto de 1 dólar para compra imediata). Você certamente já viu outros pop-ups por aí, mas nenhum com o alfabeto completo (e já com as atualizações do novíssimo e querido acordo ortográfico, que deixa nosso alfabeto coincidentemente igual ao inglês, ainda que não tenhamos palavras nossas com k, w ou y).

Os mais pessimistas andam dizendo que o livro proporcionará diversão suficiente para um minuto e vinte, depois virará enfeite de estante. Bem, minha estante merece um adorno desse. Além do mais, se eu puder oferecer um minuto e vinte de entretenimento a cada um de meus amigos, terei no mínimo contribuído para um mundo mais feliz. Já encomendei o meu.