Pablo Vilela

Archive for junho \30\UTC 2008|Monthly archive page

Troca-Troca

In Dia a Dia do Revisor on 30 de junho de 2008 at 3:52 pm

A Companhia das Letras está trocando os livros de Borges que saíram com defeito (aquilo que gostam de chamar de recall). Lindo. É assim mesmo que tem de ser, já que encontraram muitos erros na parte espanhola da edição.

A atitude da editora é exemplar. O que não é nada exemplar é o que disse o editor. Segundo reportagem da Folha (que só pode ser lida por assinantes, mas foi gentilmente transcrita pelo William), o editor alega que os erros foram conseqüência de falhas no processo de revisão feito por meio de computador.

Quero crer que entendi mal. Uma editora de tamanha notoriedade não pode confiar em revisão de computador. Cadê o Revisor?

Anúncios

Perdeu, Playboy

In Cadê o Revisor? on 27 de junho de 2008 at 3:03 pm

Com o advento da internet e o aumento da ousadia das concorrentes, a Playboy perde cada vez mais espaço nas bancas. Na última edição, mostra a clara mudança de tendência, abandonando o público masculino e atacando no ramo dos hortifrutigranjeiros.

Mas não foi só aí que a revista perdeu. Também na edição mais recente, no artigo que homenageia os 60 anos da Porsche, a foto da homenagem mostra uma bela Ferrari vermelha (repare no símbolo amarelo ao lado da roda).

Naquele momento, Steve McQueen, que durante as filmagens de As 24 horas de Le Mans não saíra de perto de seu Porsche azul nº 20, agora tirava uma única foto ao lado de uma qualquer Ferrari vermelha nº 5. Em seu subconsciente, enquanto aguardava o clique, ouvia uma pergunta que morreria sem entender: Cadê o Revisor?

Revisão em Dupla

In Dia a Dia do Revisor on 25 de junho de 2008 at 10:51 pm

Quando aprendi a revisar, vigorava a boa e velha leitura em dupla. Você não é desse tempo? Funcionava assim: um dos revisores lia em voz alta o texto digitado. O outro acompanhava ao lado no original. Se encontrava diferença, o revisor do original acusava a falha. Quando havia erro ou dúvida, debatiam a questão. Dizem que duas cabeças pensam melhor que uma.

E a produtividade? Um sempre cobrava do outro o melhor desempenho. O trabalho era rápido e sobrava tempo até para conversar. Em um passado já quase longínquo, nossa profissão foi menos solitária.

Autor Revisor

In Outras Revisões on 22 de junho de 2008 at 3:36 am

Costumeiramente, experimentados na profissão, somos inocentes ao presumir que podemos revisar nosso próprio texto.

Autor Revisor

Adriano da Gama Kury

Advirta-se que quase nunca o autor é o revisor mais indicado, porquanto, ao ler o seu texto, acompanha mais o seu próprio pensamento do que as letras impressas na prova, deixando escapar erros tipográficos – gralhas e pastéis – que, uma vez impressos, podem comprometer irremediavelmente a fidelidade do texto.

Manual de Preparação e Revisão

In Hora da Leitura on 21 de junho de 2008 at 2:13 am

Não é a primeira. Nem é a mais recente. Não é a mais fácil de encontrar. Talvez nem seja mesmo a mais completa, mas é sem dúvida uma das mais lidas e comentadas obras de revisão de textos.

Faz jus ao nome manual. Organiza-se praticamente em tópicos. Fazer dela um livro de consulta era o objetivo de seu autor, Ildete Pinto. Sim, Ildete é nome masculino. A propósito, apesar de nossa profissão ter mais mulheres, são poucas as que escrevem sobre revisão (entenda como provocação).

Malgrado todos os esforços, não há texto sem erros, desde os originais até o livro impresso. Mas, para minimizar isso, é preciso que qualquer original seja submetido pelo menos a uma correção ortográfica e de sintaxe.

Ildete Pinto

Por Onde Recomeçar

In Dia a Dia do Revisor on 19 de junho de 2008 at 3:21 am

E se demorei a notar que a revisão era meu caminho? Estudei por toda uma vida. Terminei a graduação. Tive alguns empregos. Só hoje descobri a revisão.

Olho à minha volta e nada vejo. Não li. Não fiz cursos. Não estagiei. Não tenho experiência. Sequer tenho contatos na área.

Acalme-se. Que área? Toda área precisa de revisão. Todo texto deve ser revisado. Você decerto conhece quem escreva. Se verifica um produtor de texto, reconheça seu cliente potencial. Leia. Estude. Trabalhe. Experiência só se adquire trabalhando. Se esperou até hoje, por que esperar até o próximo artigo?

Por Onde Começar

In Dia a Dia do Revisor on 16 de junho de 2008 at 11:01 pm

Mentiria se dissesse que são fáceis os primeiros passos na revisão. Não bastassem os naturais requisitos para ser bom revisor e a exigência (pessoal e alheia) de perfeição desde a primeira página, há uma dúvida opressora: por onde começar?

Há dois caminhos. Um simples, natural. Você descobre, no início da faculdade, sua indiscutível vocação para a revisão de textos. Facilmente encontra estágio. Há sempre quem pague pouco por um serviço de excelência. Seu trabalho terá qualidade. É hora de pensar no aprendizado, não nas cifras. Com sorte, seu coordenador conhece revisão e lhe ensina as bases da profissão. O futuro é pura conseqüência.

E se demorei a notar que a revisão era meu caminho? A faculdade terminou. Não mais posso estagiar. O tempo passou e só hoje descobri meu dom. Se esperou até hoje, por que não esperar até o próximo artigo?

Terapia

In Outras Revisões on 14 de junho de 2008 at 3:35 am

Terapia

Max Frisch

A literatura pode ser uma boa terapia pessoal, uma espécie de psicanálise na qual não se paga um psicanalista.

Trajetória dos Livros

In Preciosidades on 11 de junho de 2008 at 9:40 pm

Os livros são bichinhos que muitas vezes percorrem belas e intrigantes trajetórias para um dia chegarem às mãos certas, e sempre temporariamente, é claro.

Joice

Inimiga da Revisão

In Dia a Dia do Revisor on 9 de junho de 2008 at 4:41 am

O antigo ditado tinha inteira razão. A origem de boa parte dos erros é a pressa. Ninguém consegue reler o que escreve. No trabalho, na faculdade, no blogue ou no e-mail, o tempo é sempre escasso, o que impede a releitura e cria uma infinidade de erros facilmente evitáveis.

Mas será que o prazo é assim tão rígido, ou o problema está no mais puro desleixo? Tendo a crer na segunda opção. O limite de tempo, na realidade, costuma ser mais confortável do que aparenta.

Ainda que rápida, a releitura economiza posteriores correções. No fim das contas, o tempo investido nela é facilmente recuperado, pois restam menos emendas. Assim, se o autor relê seu texto, o revisor pode se preocupar mais com a qualidade e menos com o relógio.

Palavras Concretas

In Outras Revisões on 6 de junho de 2008 at 10:09 pm

Vale não só para as crianças, mas também para os adultos. Devemos ler muito e ter sempre um bom dicionário por perto.

Palavras Concretas

Ruth Rocha (capa da revista Língua Portuguesa)

As crianças têm mais dificuldade com idéias abstratas do que com palavras concretas. Quando não conhece a palavra, pela frase mata o significado. Aliás, é assim que apreendemos palavras: lendo e não entendendo. Aí a gente deduz ou vai ao dicionário.

Bienal dos Pobres

In Dia a Dia do Revisor on 5 de junho de 2008 at 9:09 pm

Politicamente, não é dos nomes mais corretos. A iniciativa da Educa São Paulo e do Núcleo de Trabalhos Comunitários da PUC-SP, no entanto, é corretíssima e louvável.

É a segunda edição da Bienal dos Pobres, que pretende distribuir um milhão de livros em evento simultâneo à Bienal Internacional do Livro, em agosto.

Empreendimentos assim, de grande ou pequeno porte, devem ser divulgados e imitados à vontade, em todos os cantos do país.

Ponto e Aspas

In Dica do Mês on 2 de junho de 2008 at 6:01 am

É uma das dúvidas mais freqüentes entre escritores, redatores, revisores. Afinal, as aspas fecham antes ou depois do ponto?

A questão é matemática. A gramática, acredite, é lógica. Se o sinal de pontuação (ponto final, de interrogação, vírgula, dois-pontos) pertence ao trecho entre aspas, o ponto fica dentro das aspas. Se não pertence, fica fora. Analisando seu texto com cuidado, você saberá onde as aspas terminam.

A mesma lógica vale para a relação entre a pontuação e o asterisco (ou número sobrescrito) usado na chamada da nota de rodapé: se o ponto pertence à citação…