Pablo Vilela

Archive for agosto \31\UTC 2008|Monthly archive page

Querer não é Fazer

In Cadê o Revisor? on 31 de agosto de 2008 at 2:06 am

Dia desses, proporcionamo-nos um almoço bucólico em família. Um rancho nas proximidades da cidade, comida deliciosa da roça à beira do lago e ao som dos pássaros. Mensagens de amor à natureza, de consciência ecológica, por todos os lados. Tudo perfeito.

O melhor é que, sem desperdiçar, podia comer o que quizesse. Opa: quisesse. Você também nunca sabe se o verbo se conjuga com s ou z? Simples: se tiver z no radical do infinitivo (fazer, dizer, benzer), é com z; se não tiver (pôr, querer e seus derivados), é com s.

Como eu dizia, quase tudo perfeito. Só faltou uma coisa: Cadê o Revisor?

Anúncios

Momento Bienal

In Outras Revisões on 30 de agosto de 2008 at 1:25 am

Esta é parte de um roteiro desenvolvido (pelo que entendi) para o Festival do Minuto do próximo ano.

Momento Bienal

Sady Folch

Aluno de um Curso de Formação de Escritores entra na Bienal do Livro em São Paulo. A câmera faz a sua tomada de frente num plano americano e em seguida vai fechando até alcançar o close, quando registra a sua primeira e única fala. O aluno neste momento olha para todos os lados com um largo sorriso e diz:

— LIVROS!

Temporada dos Livros

In Dia a Dia do Revisor on 29 de agosto de 2008 at 9:22 pm

A temporada de ode ao livro começou. Quem deu o pontapé inicial foi a Bienal do Livro, que, só pelo Pequeno Príncipe gigante da ala infantil, já valeria a visita.

Agora a Feira do Livro de Brasília foi inaugurada, cheia de atrações e boas oportunidades para renovar as estantes. Concomitantemente, a Universidade Católica de Brasília promove o Liberte um Livro, ou Esse Livro é Livre (particularmente, preferiria Este), um movimento de doação de livros que os solta da jaula do esquecimento de sua estante.

Os eventos não hão de parar. Com a proximidade do Dia Nacional do Livro, muitos outros devem acontecer. Reorganize suas estantes.

Superoferta

In Dia a Dia do Revisor on 28 de agosto de 2008 at 12:27 am

Grata surpresa. Era uma propaganda de loja de departamento na tevê, daquelas escandalosas, cheias de promoções e splashes. O título: Superoferta. Assim mesmo, tudo junto, perfeitamente correto, como quase não se vê. Super jamais deve aparecer separado. Teria acento, se assim o fosse.

No fim do comercial, o número da teleentrega, assim mesmo, com dois e, exatamente como manda o figurino. Parece que descobriram Cadê o Revisor. Gratas surpresas.

Melodia

In Outras Revisões on 25 de agosto de 2008 at 6:57 pm

Era apenas uma observação sobre programa saudosista que faz as teclas do computador soarem como máquina de escrever. A saudade fez-se poesia.

Melodia

Ednucci

Adoro ouvir as letras cantando, a melodia das frases, a sonoridade inspiradora das idéias sendo escritas.

Mais Além da Revisão

In Hora da Leitura on 22 de agosto de 2008 at 9:19 pm

Recebi uma visita e um presente especiais. Ari trouxe-me a recém-lançada segunda edição de seu Além da revisão, com uma simpaticíssima dedicatória.

A nova edição vem revisada. O mais importante, a meu ver, foi padronizar a profissão como revisão de textos. Além da revisão, hoje posso dizer que a compra compensou. Encaderná-lo foi boa idéia. Toda a expectativa de outrora está confirmada.

Trabalhe incansavelmente para anteceder-se a impressões gráficas com erros que geralmente causam grandes constrangimentos. Não há errata que compense a perpetuação de erros. Desenvolva o poder de concentração. Seja disciplinado em revisão textual.

Aristides Coelho Neto

Olimpíadas

In Dia a Dia do Revisor on 19 de agosto de 2008 at 6:56 pm

Os Jogos Olímpicos de Pequim (que não é Beijing aqui nem na China) fazem-me lembrar que não basta cuidar do intelecto. Não adianta estudar muito, trabalhar muito, ter muita experiência, se a saúde não estiver em dia.

Aproveite as Olimpíadas e escolha um esporte para praticar. Além de todos os óbvios benefícios para a saúde física e mental que proporciona, ele aumenta muito a capacidade de concentração, que é fundamental para o revisor.

Companhia da Arte

In Outras Revisões on 17 de agosto de 2008 at 9:30 pm

A Poetriz nos presenteou com esta bela citação de Drummond.

Companhia da arte

Carlos Drummond de Andrade

Por outro lado, a solidão em si é muito relativa. Uma pessoa que tem hábitos intelectuais ou artísticos, uma pessoa que gosta de música, uma pessoa que gosta de ler nunca está sozinha. Ela terá sempre uma companhia: a companhia imensa de todos os artistas, todos os escritores que ela ama, ao longo dos séculos.

Meio Ambiente

In Cadê o Revisor? on 14 de agosto de 2008 at 12:33 am

São Paulo promove a II Mostra Sistema Fiesp de Responsabilidade Socioambiental. Nosso blogue aplaude toda iniciativa em prol da sustentabilidade ambiental. Já passou da hora do homem se preocupar com o meio ambiente.

Esta reportagem apresenta um pouco do que é o evento, que oferece diversas soluções de reúso de materiais reciclados na decoração de sua casa. A propósito, repare como aparece o reúso logo após o primeiro minuto do vídeo.

multiusoE aqui vai um desafio: encontre, no supermercado próximo a sua casa, um limpador multiúso escrito corretamente. Quando finalmente constatar que estão todos errados, não se esqueça de perguntar ao gerente: Cadê o Revisor?

Almoço Literário

In Preciosidades on 11 de agosto de 2008 at 2:41 am

Verdadeira maravilha estar em companhia de um livro no horário do almoço. O convívio com os nossos é muito bom, mas até a saudade e a falta tornam-se mais amenas com a presença de um livro.

Milena

Mestres Mudos

In Outras Revisões on 8 de agosto de 2008 at 11:26 pm

Mestres mudos

Padre Antônio Vieira

São os livros os mestres mudos que ensinam sem fastio, falam a verdade sem respeito, repreendem sem pejo, amigos verdadeiros, conselheiros singelos; e assim como à força de tratar com pessoas honestas e virtuosas se adquirem, insensivelmente, os seus hábitos e costumes, também à força de ler os livros se aprende a doutrina que eles ensinam.

Diagramação

In Dia a Dia do Revisor on 7 de agosto de 2008 at 1:15 am

Para ser revisor você não tem de entender de diagramação (ou arte-final, editoração, formatação, ou como queira). Nem precisa conhecer os programas e ferramentas usados pelo seu colega diagramador.

Apesar de não ser obrigado, no entanto, é muito conveniente que você conheça bem as atribuições do seu principal parceiro de trabalho. Você não saberá tudo das funções dele (provavelmente saberá pouquíssimo), mas tudo o que aprender será de grande valia para a revisão.

Além de facilitar a sua vida e a dele, você conhecerá uma área tão admirável quanto a revisão.

Espaço Duplo

In Dica do Mês on 4 de agosto de 2008 at 6:33 pm

Procure sempre realizar a primeira revisão diretamente no editor de textos. Faça-o buscar dois espaços (dois toques na barra de espaço) e substituir por um espaço em todas as ocorrências. Repita o processo até que não haja mais indesejáveis espaços duplos.

É dos erros mais comuns. Raros textos escapam dele. Ainda assim, é dos mais imperceptíveis. Notá-lo demonstra acuidade visual. Esquecê-lo denota desleixo.

E, se você cultiva o hábito de valorar seu trabalho por laudas, não se esqueça de cobrar cada um dos espaços que revisou.

Revisão Online

In Dia a Dia do Revisor on 3 de agosto de 2008 at 8:52 pm

Em passado recente, se tinha dúvida, o revisor olhava a sua volta. Folheava dicionário, gramática, consultava seus alfarrábios. Em última hipótese, socorria-se com o colega ao lado.

Com a internet, não se desculpa a solidão. Falham dicionários e gramáticas? Não lhe bastam as ferramentas eletrônicas? Restam-lhe os amigos revisores (você decerto os tem) no comunicador instantâneo. Se, ainda assim, falta a informação precisa, há sempre a comunidade virtual de revisores.

A internet guarda, em algumas de suas maiores fontes de entretenimento, mecanismos dos mais convenientes para o trabalho do revisor.

Primeiro Livro

In Outras Revisões on 1 de agosto de 2008 at 10:20 am

Esta citação vem do Luz de Luma, que recentemente publicou uma lista de seus cinqüenta livros favoritos.

Primeiro livro

Carlos Ruiz Zafón

Poucas coisas marcam tanto um leitor como o primeiro livro que realmente abre caminho até ao seu coração. Aquelas primeiras imagens, o eco dessas palavras que julgamos ter deixado para trás, acompanham-nos toda a vida e esculpem um palácio na nossa memória ao qual, mais tarde ou mais cedo – não importa quantos livros leiamos, quantos mundos descubramos, tudo quanto aprendamos ou esqueçamos –, vamos regressar.